Culto do Dragão

Cult_of_the_Dragon.jpg

Também são conhecidos por Trajados em Púrpura, devido à cor de seus mantos.

O Culto do Dragão é uma sociedade secreta, dedicada a apressar o “inevitável” domínio de Faerûn por dragões mortos-vivos. Fundado pelo arqui-mago insano (e depois lich) Sammaster, um Escolhido de Mystra e necromante, parar trazer sua louca visão de um mundo dominado por suas criações máximas, os dracoliches. Foi seu líder até sua morte em 1373 CV, quando o mythal de fúria dracônica que havia criado foi destruído. Após esse ano, não se sabe quem assumiu a liderança do Culto do Dragão. Com Sammaster destruído, o conhecimento e os rituais necessários para animar dracoliches foram mantidos por seu culto fiel. Mesmo hoje, eles viajam prometendo poder e a não-vida eterna para dragões malignos que encontram.

O culto realiza diversas atividades para adquirir riqueza e poder, incluindo atividades ilegais, busca de informações, pesquisas arcanas e alianças com dragões malignos. Com essas ferramentas, o Culto fortifica suas propriedades e busca atingir sua meta: converter dragões na mais terrível forma de morto-vivo, o dracolich.

O Culto venera os dragões com tanto afinco que parece uma religião (de fato, alguns dragões são adorados como deuses, embora não sejam realmente divindades). Os membros do Culto servem aos dragões oferecendo-lhes tesouro, cura, trocando magias, modificando seus covis ao acrescentar armadilhas mecânicas e cuidando de seus ovos e filhotes. Em retribuição, os integrantes do Culto recebem permissão para se refugiar nos covis dos dragões em tempos de crise e a promessa de auxílio das criaturas. Acima de tudo, os Cultistas dedicam-se aos preparativos para transformar o dragão em dracolich.

O Culto é organizado em células independentes, que trabalham juntas em prol dos objetivos maiores. Algumas contam com negócios legítimos para obter riqueza, entre eles o comércio, venda de informação e contratação de aventureiros para investigar locais antigos em troca de uma parte dos lucros. Outras células praticam contrabando, seqüestros, chantagens, extorsão em troca de segurança, venda de mercadorias ilícitas e perigosas, agiotagem, jogo ou banditismo para se sustentar.

Cada célula respeita um hierarquia individual – os integrantes menos qualificados servem à organização em completa ignorância e o membro mais influente é o Portador do Púrpura, batizado em função da cor de seu manto cerimonial. Os Cultistas mais importantes da organização são magos, especialmente necromantes, que produzem itens mágicos, preparam as poções de transformação em dracolich e invocam mortos-vivos.

Relação com a Companhia Aventuresca

Em 23 de Eleint de 1488 CV, a Companhia Aventuresca frustrou os planos de uma célula do Culto do Dragão em Thundertree de recrutar um dragão da Floresta Neverwinter para suas fileiras. Um dos membros, Franz, fugiu. Outro, Grant, foi capturado, interrogado e depois liberado.

Culto do Dragão

Legado do Norte bruno_baere bruno_baere